28 de maio de 2018

Visualização de dados por trás das notícias

Apresentação sobre o uso de dados nos bastidores das notícias no Cerveja com Dados Curitiba, evento da Escola de Dados em maio de 2018.

Abrir slides em outra janela

15 de maio de 2018

Pinos customizados para Google Maps

O Google Maps é uma ferramenta poderosa de mapeamento, e pode ser usada basicamente de duas formas:

No entanto, o estilo visual padrão pode deixar a desejar:

Mas não é nada que não se resolva com um pouco de personalização.

Use os pinos abaixo para substituir os pinos padrão do Google Maps, tanto na API como no MyMaps. Salve os ícones em PNG, ou copie a URL da imagem (ou baixe todos os pinos aqui)

Estilo uniforme

Pinos iguais para todo o conjunto de dados.

Clique no baldinho de tinta para alterar > "Mais ícones" > "Ícone personalizado" > Faça upload de um ícone png ou cole a URL de um deles:

Pino básico

Pino estilizado com sombra

http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/pino-basico.png

*Utilizar com cuidado: no MyMaps não pode ser usado para apontar lugares com precisão, pois o centro do pino é posicionado no local, e não a base. No Maps API é possível especificar onde é a "âncora" do pino

Círculos transparentes

Bolhas com 24px e 80% de transparência para mostrar itens sobrepostos

http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/m/amarelo.png

http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/m/azul.png

http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/m/laranja.png

http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/m/roxo.png

http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/m/verde.png

http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/m/vermelho.png

Estilo por coluna de dados

Pinos variáveis conforme os dados.

Troque o "Estilo Uniforme" por "Estilo por coluna de dados", escolha uma coluna numérica, e personalize um ícone para cada faixa de valor.

Círculos de cores diferentes

Bolhas com tons diferentes da mesma cor (e 80% de transparência)

(disponível em amarelo, azul, laranja, preto, roxo, verde e vermelho)


http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/m/azul-1.png

http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/m/azul-2.png

http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/m/azul-3.png

Círculos de tamanhos diferentes

Bolhas com 12px (P), 24px (M) e 36px (G) (e 80% de transparência)

(disponível em amarelo, azul, laranja, preto, roxo, verde e vermelho)


http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/p/vermelho.png

http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/m/vermelho.png

http://www.guilhermestorck.com.br/dadosfinos/pinos-gmaps/g/vermelho.png

Combine tamanhos e cores

Você pode reforçar uma informação usando a cor e o tamanho como variável. Combine nas URLs os tamanhos P, M e G com a sequência de cor 1, 2 e 3

1 de fevereiro de 2018

Ordenar tabela no Google Docs

Criar uma tabela é o caminho mais fácil para reordenar (classificar) linhas, em ordem alfabética, ou por ordem de valores. Veja como mudar a sequência de linhas usando a ferramenta grátis de tabelas do Google Docs (Sheets).




  1. O primeiro passo é travar o cabeçalho (se não tem cabeçalho, crie um) arrastando aquela linha mais grossa entre as linhas 1 e 2. 
  2. Depois, clique na setinha que abre as opções da coluna desejada e "Classificar de A - Z" ou "Classificar de Z - A". Serve tanto para colunas de texto (ordem alfabética) quanto de números (ordem por valor numérico).

Use esse recurso para criar rankings, organizar listas, ou no caso do exemplo, poderia ser usado para agrupar os nomes dos senadores por partido ou por estado (Classificando a coluna "Partido", nomes do PT ficariam todos juntos, do PSDB também, assim por diante).

Classificar linhas no Excel

Se você precisa ordenar linhas no Excel, o caminho é parecido. Dê uma olhada nessa explicação:
Ordenar listas ou tabelas no Excel


26 de novembro de 2017

Visualização de dados



Visualização de dados básica: como formatar dados para cada tipo de gráfico e visualizar usando ferramentas grátis como Raw e Tableau. Também alguns princípios básicos do design da informação aplicados à visualização.


Workshop de visualização de dados no Coda.Br 2017, 2ª Conferência Brasileira de Jornalismo de Dados.


Slides



Abrir slides em outra janela

Arquivos de exemplo


Baixe o Excel
tabela-exemplo-dataviz.xlsx

Ou abra no Google Docs
tabela-exemplo-dataviz (Sheets) (Arquivo > Fazer uma cópia)

Ferramentas


Raw Graphs

Tableau Public



23 de novembro de 2017

Transforme uma tabela em mapa interativo do jeito fácil




Veja no passo a passo abaixo como transformar uma tabela do excel com endereços em um mapa interativo no Google Maps. Nesse exemplo os endereços são estados brasileiros.

No Google Maps é possível montar uma visualização de dados simples de um jeito fácil e rápido, formatando cores de forma automática para os pinos, de acordo com uma coluna escolhida na tabela.

Baixe o arquivo de exemplo para testar (.xlsx)





Se você não conseguir reproduzir alguma etapa, veja este tutorial versão detalhada:

Como localizar uma lista ou tabela de endereços com o Google Maps



Veja também:


Mais programas e ferramentas online para trabalhar com mapas aqui.

Tutoriais e dicas para criar mapas

1 de julho de 2017

Preciso de um infográfico: Usando recursos visuais para comunicar

Abrir slides em outra janela



Curso no Congresso Abraji 2017 (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo)

Dicas de como visualizar dados no dia-a-dia de uma redação com truques simples no próprio Excel e com outras ferramentas grátis como o Google Maps, Tableau Public e o Raw Graphs.

Com o propósito de democratizar a produção de infográficos, gráficos, mapas e tabelas, o foco do curso é que qualquer um pode aprender a comunicar informações visualmente usando estratégias visuais básicas como Cor, Tamanho, Ordenação e Agrupamentos

Ferramentas extremamente simples são muito bem-vindas, como capturas de tela (o famoso print screen) ou geradores de gifs.

Download da tabela de exemplo

27 de junho de 2017

Como calcular taxa por 100 mil habitantes



A taxa por 100 mil habitantes é simples de calcular:
  • Pegue o indicador principal (número de crimes, nascimentos, mortes, casos de doença)
  • Divida pela população do local
  • Multiplique o resultado por 100.000
A fórmula fica assim:

Taxa por 100 mil habitantes = Número de casos / População x 100.000

Porque usar a taxa por 100 mil

Indicadores como a taxa por cem mil habitantes são proporcionais ao tamanho da população em questão, logo, eles permitem comparar populações (países, cidades, bairros) de tamanhos diferentes.

Dividindo o indicador por fatias menores de pessoas, é possível entender a distribuição geográfica de forma mais significativa.

A taxa também poderia ser por 10 mil, ou 1 mil habitantes, o princípio é o mesmo. Na fórmula, só muda o número multiplicador. Também existem outras formas de relativizar os números, como dividir pela área, ao invés da população.

O problema dos números absolutos

Quando não se usa um indicador relativizado, proporcional à população (ou "normalizado"), é difícil visualizar coisas diferentes de "aqui tem mais gente, aqui tem menos gente".

Mapas, tabelas ou rankings com números absolutos são importantes para determinadas conclusões. Afinal, o país onde mais gente passa fome é uma informação importante, independente de quantas pessoas moram lá. Para outras conclusões, os números relativos podem ajudar mais.

Alguns mapas com números absolutos, em geral, são iguais a mapas populacionais. Veja esses mapas de Curitiba por bairros:




O resultado é parecido com essa tirinha clássica do xkcd:



Em todos eles, o resultado é bem óbvio: o bairro onde tem mais ocorrências de qualquer coisa é o CIC, que é o bairro mais populoso e de maior área. No Brasil, São Paulo deve dominar a maioria dos rankings feitos com números absolutos.

A distribuição geográfica de eleitores, mortes no trânsito ou homicídios, segue quase exatamente a mesma proporção da população. A lógica é simples: onde tem mais gente, tende a ter: mais eleitores, mais mulheres, mais homicídios, mais acidentes de trânsito...



Outros indicadores proporcionais

Não só de taxas por 100 mil se fazem boas comparações. Veja esses outros mapas de Curitiba, que usam outros tipos de cálculo:

A porcentagem de área verde de cada bairro é feita em relação a área do bairro. A densidade populacional também, já que ela é a divisão da população do local pela área. O rendimento médio é uma média, é o quanto em média as pessoas daquela região ganham mensalmente.

Assim como a taxa por 100 mil, esses tipos de indicador (per capita, médias, e em proporcionais à área) permitem comparações mais ricas entre os locais. No exemplo do mapa de Curitiba, eles permitem uma compreensão melhor da cidade.

Os dados de exemplo

Os dados utilizados são do IBGE e do Ippuc; os números de mortes no trânsito são do Projeto Vida no Trânsito.

Os mapas de polígonos foram feitos no Tableau. O dashboard interativo está aqui.