27 de junho de 2017

Como calcular taxa por 100 mil habitantes



A taxa por 100 mil habitantes é simples de calcular:
  • Pegue o indicador principal (número de crimes, nascimentos, mortes, casos de doença)
  • Divida pela população do local
  • Multiplique o resultado por 100.000
A fórmula fica assim:

Taxa por 100 mil habitantes = Número de casos / População x 100.000

Porque usar a taxa por 100 mil

Indicadores como a taxa por cem mil habitantes são proporcionais ao tamanho da população em questão, logo, eles permitem comparar populações (países, cidades, bairros) de tamanhos diferentes.

Dividindo o indicador por fatias menores de pessoas, é possível entender a distribuição geográfica de forma mais significativa.

A taxa também poderia ser por 10 mil, ou 1 mil habitantes, o princípio é o mesmo. Na fórmula, só muda o número multiplicador. Também existem outras formas de relativizar os números, como dividir pela área, ao invés da população.

O problema dos números absolutos

Quando não se usa um indicador relativizado, proporcional à população (ou "normalizado"), é difícil visualizar coisas diferentes de "aqui tem mais gente, aqui tem menos gente".

Mapas, tabelas ou rankings com números absolutos são importantes para determinadas conclusões. Afinal, o país onde mais gente passa fome é uma informação importante, independente de quantas pessoas moram lá. Para outras conclusões, os números relativos podem ajudar mais.

Alguns mapas com números absolutos, em geral, são iguais a mapas populacionais. Veja esses mapas de Curitiba por bairros:




O resultado é parecido com essa tirinha clássica do xkcd:



Em todos eles, o resultado é bem óbvio: o bairro onde tem mais ocorrências de qualquer coisa é o CIC, que é o bairro mais populoso e de maior área. No Brasil, São Paulo deve dominar a maioria dos rankings feitos com números absolutos.

A distribuição geográfica de eleitores, mortes no trânsito ou homicídios, segue quase exatamente a mesma proporção da população. A lógica é simples: onde tem mais gente, tende a ter: mais eleitores, mais mulheres, mais homicídios, mais acidentes de trânsito...



Outros indicadores proporcionais

Não só de taxas por 100 mil se fazem boas comparações. Veja esses outros mapas de Curitiba, que usam outros tipos de cálculo:

A porcentagem de área verde de cada bairro é feita em relação a área do bairro. A densidade populacional também, já que ela é a divisão da população do local pela área. O rendimento médio é uma média, é o quanto em média as pessoas daquela região ganham mensalmente.

Assim como a taxa por 100 mil, esses tipos de indicador (per capita, médias, e em proporcionais à área) permitem comparações mais ricas entre os locais. No exemplo do mapa de Curitiba, eles permitem uma compreensão melhor da cidade.

Os dados de exemplo

Os dados utilizados são do IBGE e do Ippuc; os números de mortes no trânsito são do Projeto Vida no Trânsito.

Os mapas de polígonos foram feitos no Tableau. O dashboard interativo está aqui.